• Autor Lydia Cacho
  • Ilustrador
  • Coleção Mundo Contemporâneo
  • ISBN 9789896683696
  • PVP 19,99 € (IVA incluído)
  • preço livre
  • 1ª Edição junho 2015
  • Edição atual 1.ª
  • Páginas 320
  • Apresentação Capa Mole
  • Dimensões 150 x 222 x 18 mm
  • Idade

«És puta e drogada. Achas que a polícia vai acreditar em ti ou em mim, um empresário de sucesso?»

Há um negócio que sempre prospera, ilegal, imune à austeridade. Da Turquia ao Japão, da Palestina ao Camboja, do Reino Unido ao México, o tráfico humano atravessa o mundo inteiro, invisível aos cidadãos e ignorado por políticos que fingem não ver - ou que dele também dependem.

Estima-se que cerca de 80 por cento das vítimas do tráfico são entregues à prostituição. Num trabalho de investigação excecional que se prolongou por vários anos, Lydia Cacho desmascara os criminosos e acompanha o rasto das vidas por eles destroçadas. Em Escravas do Poder, falam na primeira pessoa traficantes de droga e de armas, mafiosos e proxenetas, além das próprias cativas que conseguiram escapar ao carrossel do tráfico.

Relato desassombrado das ligações tentaculares do tráfico sexual a um sem-número de indústrias - o turismo, a pornografia, o contrabando, a venda de órgãos e o terrorismo -, tudo depende desta rede global e sem lei, e todos pagamos sem saber o preço destas vidas.

«Lydia Cacho tem medo? A pergunta pode ser óbvia, mas a resposta não.» - The Guardian

«Um corajoso trabalho de investigação.» - The Washington Post

Nascida no México em 1963, é uma das mais famosas jornalistas de investigação de todo o mundo. Depois de deixar a Universidade de Sorbonne, e influenciada pelo ativismo que herdou da mãe (psicóloga feminista de ascendência francesa e portuguesa), abraçou a carreira de repórter.

Há mais de duas décadas que a sua voz incómoda e audaz faz tremer os poderes instituídos em defesa das mulheres, denunciando a violência e a exploração sexuais. Da sua obra, composta por nove títulos, destacam-se Los Demonios del Edén (2005), que a levou a ser presa e torturada por revelar uma rede de pedofilia de empresários e políticos mexicanos, e Escravas do Poder, o seu trabalho mais recente. Trabalha como consultora especialista em temas de direitos humanos e saúde das mulheres no Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (UNIFEM).

Tem sido reconhecida com inúmeros galardões dos quatro cantos do mundo: saliente-se o Prémio Nacional de Jornalismo do México, o Prémio Ginetta Sagan da Amnistia Internacional em nome dos Direitos das Mulheres e das Crianças (2007), o Prémio Mundial UNESCO/Guillermo Cano da Liberdade de Imprensa (2008), a Medalha Wallenberg (2009), Heroína da Liberdade de Imprensa pelo International Press Institute (2010) e Dama da Legião de Honra da República Francesa (2013). Em 2011, venceu com Roberto Saviano o Prémio Olof Palme, pelo combate de ambos contra a insegurança e a injustiça no mundo.