• Autor Harry Parker
  • Ilustrador
  • Coleção Ficção Traduzida
  • ISBN 9789898849496
  • PVP 19,99 € (IVA incluído)
  • preço livre
  • 1ª Edição outubro de 2016
  • Edição atual 1.ª
  • Páginas 352
  • Apresentação Capa Mole
  • Dimensões 150 x 222 x 20 mm
  • Idade

«Senti o peso em cima de mim. A lama seca cedeu, quebrou-se e pressionou as minhas tiras metálicas uma contra a outra. Gerou-se um circuito que preencheu instantaneamente os meus fios. Estava viva. A vareta metálica no meu coração detonou-se, gerando uma força explosiva imensa que acionou a mistura dentro de mim. Funcionei.»

Imaginemos um homem chamado capitão Tom Barnes, BA5799, que lidera tropas britânicas numa zona de guerra. Pensemos em dois rapazes que aí passaram a infância, partilhando uma valiosa bicicleta e lançando papagaios até ao momento em que se veem separados pelas tropas estrangeiras que entram no terreno. E pensemos ainda no homem que treina um dos rapazes para que ele possa combater o pai do outro e os invasores infiéis. Imaginemos os amigos e familiares dessas pessoas, também apanhados pela violência e pelo impensável.

Mas não os vejamos como eles se veem a si mesmos; observemo-los, antes, através de todos os objetos que os rodeiam: sapatos e botas, um capacete, um drone, a bicicleta, armamento, um saco de fertilizante, uma medalha, um copo de cerveja, um floco de neve, coleiras de cães, uma mina que explode e equipamento médico. Um total de quarenta e cinco espetadores, inanimados, porém, não silenciosos. São eles as personagens deste romance.

Anatomia de Um Soldado é um livro comovente, revelador e duro acerca da sobrevivência e dos conflitos internos de um homem que se vê colocado em circunstâncias extremas - e das experiências daqueles que o rodeiam.

Harry Parker cresceu em Wiltshire, no Reino Unido. Estudou na Falmouth College of Art e na University College of London. Aos 23 anos, alistou-se no Exército britânico, tendo servido no Iraque, em 2007, e no Afeganistão, em 2009, como capitão. 

Foi nessa campanha que acabou por ser ferido e perder ambas as pernas. Após regressar a Londres, decidiu dedicar a sua vida às artes plásticas e à escrita.